Arquivo do dia: 31/05/2012

SÓCIO REI, QUE TERMINE EM PIZZA…

No último Domingo (27/05), antes da partida Santos x Sport, um grupo de amigos sócios do Santos Futebol Clube realizaram um protesto referente aos problemas que vem ocorrendo desde que o clube implantou o programa Sócio Rei. Munidos de cartazes e narizes de palhaço eles protestaram de forma legítima e pacífica, chamaram atenção da mídia e também conseguiram obter o agendamento de uma reunião com o Presidente do Santos Luis Alvaro e alguns integrantes de sua equipe.

A reunião, para qual também fui convidado, mas que infelizmente não pude comparecer, foi realizada no final da tarde da terça-feira (29/05) e dela resultou o resumo abaixo, elaborado pelo amigo e sócio do clube Rafael Metta:

 A quem interessar, segue resumo da reunião com o presidente Luis Alvaro:

Estiveram presentes na reunião 11 sócios do Santos (Rafael Metta Bueno da Silva, Iraci Bueno da Silva, Gercildo Junior, Danielle Devorane, Leonardo Castelli, Marcelo Henrique, Gustavo Parada, Bruno Mamede, Karina Velasco, André Vitor e Renata Mendes), o presidente Luis Alvaro, Arnaldo Hase, Paula Madeira (coordenadora da secretaria social) e o Henrique (responsável por TI). A reunião teve duração de quase 3 horas e todos eles foram muito atenciosos com todos nós e mostraram muito empenho em resolver os problemas.

A reunião começou com o presidente pedindo desculpas pelos problemas que nós temos enfrentado, não se omitiu em nenhum momento e assumiu a responsabilidade mesmo dos serviços terceirizados.

Conseguimos passar praticamente pela pauta inteira e vou resumir aqui:

Site:
O Santos tem feito praticamente reuniões diárias com a CSU para resolver os problemas. O site foi criado por eles e eles que o administram. No jogo contra o Velez, o Santos tentou tirar o site de funcionamento por causa dos problemas, mas a CSU insistiu em deixar “on line” alegando que o problema seria resolvido em breve, o problema demorou a ser resolvido e isso prejudicou todos os sócios.

Quanto a migração de sistema em momento inoportuno, o Santos foi obrigado a faze-la em virtude de contrato, o contrato com a antiga administradora se encerrou e houve a necessidade de passar para o Sócio-Rei.

Quando foi comentado sobre a falha do sistema no jogo contra o Sport, todos foram pegos de surpresa, eles não sabiam que havia sido informado no site e via telefone que os ingressos estavam esgotados, isso será cobrado da CSU.

Existe um projeto futuro, em que ao lado de cada portão exista um “quiosque” da secretaria social, dessa forma, quem tiver problemas já os resolve na mesma hora, porém, isso ainda não tem prazo para implementação.

Correspondências:
Muitos sócios não recebem a revista Santástico, no início existia muito extravio e roubo de exemplares, o Santos tomou medidas mudando a embalagem das revistas e isso reduziu muito a reclamação. Neste último mês o Santos mudou a distribuidora e também diminuiu consideravelmente o número de reclamações.

Ainda na questão da distribuição das revistas, algo que dificultou muito para o Santos foi o cadastro desatualizados dos sócios, para se ter noção, existem cerca de 16 mil sócios que não possuem CPF no cadastro.

Os problemas com cobranças indevidas foram resolvidos e no mês que vem tudo retornará a normalidade.

Quanto ao não recebimento das carteirinhas, as empresas envolvidas não esperavam uma demanda tão grande e isso gerou o atraso na distribuição das mesmas. Tanto a CSU no processamento das carteirinhas, quanto o Banco BMG na aprovação dos cartões de créditos atrasaram seus serviço. Ainda nesta semana, foram emitidas 95% das carteirinhas das categorias prata, ouro e diamante e 100% das carteirinhas de plano oficial já foram emitidas.

Os sócios que não receberam o boleto até o momento, não serão enquadrados como inadimplentes e poderão fazer a reserva normalmente para os jogos.

Canais de comunicação:
A central telefônica é de responsabilidade da CSU, mas o Santos também está pressionando para que o serviço melhore.

Também foi informado que a Ouvidoria do clube não funciona, foi entregue um e-mail (enviado a ouvidoria, mas sem resposta) nas mãos do Luis Alvaro. Foi prometido melhorias.

Ingressos:
O Santos tem a intenção de começar a divulgar o início das vendas com pelo menos 24 horas de antecedência, isso já deve ocorrer para o jogo contra o Corinthians.

Foi garantido que os ingressos físicos de portão 1 e 2 não existem e todos que estavam em circulação eram falsos.

Foi apontado a dificuldade para a compra de ingressos quando somos visitantes, isso também pegou todos de surpresa e o LAOR juntamente com o Henrique se prontificaram de acertar isso e vão iniciar um projeto para venda em nossas bilheterias.

O próprio presidente entrou no assunto de cambistas, li a matéria do Lance onde um cambista disse que tinha “gente grande” do Santos cedendo ingressos a eles. Foi informado que o Santos já está trabalhando para encontrar o responsável por isso.

E na minha opinião, o ponto mais importante e positivo da reunião, já existe um projeto de PLANO DE FIDELIDADE, favorecendo a venda de ingressos a quem vai em mais jogos, porém, ainda não existe um prazo para que ele entre em funcionamento.

Lojas credenciadas:
Os presentes também não sabiam que não é mais possível fazer a compra pela internet com desconto de associado, ficaram de verificar.

Quanto a diminuição do desconto na loja da Vila, não souberam afirmar com certeza absoluta, porém, acredita-se que seja por força de contrato com a Nike.

Outros:
Em parceria com a AMBEV, será criada uma nova modalidade de sócio, o SÓCIO EM DISTANCIA, será mais barato e terá muito benefícios a quem mora longe da Vila, como por exemplo, desconto na compra de produtos da AMBEV e abatimento da mensalidade com o próprio valor desses produtos. Tem prazo de 3 a 4 meses para entrar em funcionamento.

Enfim, a reunião foi muito proveitosa e saímos de lá com grande expectativa de melhoras. Obrigado a todos que ajudaram de alguma forma, desde o protesto até hoje na reunião. Muito obrigado também a todos envolvidos na reunião pelo lado do SANTOS FUTEBOL CLUBE, que nos receberam muito bem e nos deram a maior atenção possível.

—–//—–

os dissabores de um sócio rei

O Santos Futebol Clube em muitas situações me faz agir mais com a emoção do que com a razão! Devido a isto, já fui prejudicado anteriormente, mas ao invés de criar atrito com o clube que eu amo, sempre procuro ajudar no que é possível, de modo que possam realizar os ajustes necessários e o clube possa evoluir cada vez mais.

Fiz minha adesão ao programa Sócio Rei em 12/12/2011, creio que eu tenha sido um dos primeiros sócios a acreditarem e aderirem ao programa, optei pelo nível de relacionamento Diamante, o mais alto do programa. Infelizmente esta foi mais uma das situações onde a emoção, traduzida no amor que tenho pelo clube, foi maior do que a razão no momento de tomar a decisão.

Desde o início o programa causou algum desconforto, o site Sócio Rei que devia ser uma fonte para esclarecimento de todas as dúvidas não cumpria esta missão, pelo contrário, apresentava muitos pontos para serem esclarecidos. Como agravante da situação, o período inicial de adesão ocorreu alguns dias antes do Mundial de Clubes disputado no Japão, o foco de atenção estava voltado para lá e aqui no Brasil parecia não haver ninguém para responder pelo programa que já dava sinais que iria se transformar num problema.

“Tem coisas que só acontecem com um Sócio Rei”

Conforme mencionei antes, fiz minha adesão ao nível de relacionamento Diamante e logo no dia seguinte (13/12/2011) observei que um texto relacionado a este nível foi alterado no site, desta forma um suposto benefício o qual teria direito simplesmente sumiu da noite para o dia. Fato grave, desrespeitoso e extremamente lamentável.

De lá para cá, o Sócio Rei transformou-se numa bomba relógio, no meu caso até o momento não vivenciei ou obtive nenhuma “recompensa ou experiência inesquecível” conforme promete o programa.

Nem sequer o cartão multifunção (carteirinha de Sócio Rei Diamante) eu recebi até a presente data (31/05/2012), a promessa de recebimento era para ocorrer no primeiro trimestre deste ano.

A Revista Santástico, destinada aos sócios do Santos, já esta na edição 9, mas a publicação nunca chega na minha residência, para obter meu exemplar sempre tenho que buscar na secretaria social ou recorrer a amigos para me enviar. Confesso que já cansei de reclamar sobre isto, embora os funcionários do clube sejam sempre cordiais quando abordo este assunto, o problema de fato nunca é resolvido e a revista continua não chegando.

No Cruzeiro do Centenário realizado em Março e do qual participei, soube através de amigos (não recebi e-mail) que os sócios que aderiram ao Sócio Rei teriam um benefício referente ao consumo de bebidas (all inclusive) no navio Grand Mistral, entretanto a premissa para isso era que o Santos fornecesse para administração do navio a lista de tais sócios, de modo que efetivamente o benefício fosse concedido. Bom, para resumir, informo que mais uma vez tive problema como Sócio Rei, o benefício não havia sido lançado no meu cartão da Ibero Cruzeiros, utilizado para realização de consumo, procurei os funcionários do Santos que estavam no navio representando a secretaria social do clube, e pasmem, naquele momento eles não tinham sequer uma lista manual para confirmação de quem era ou não Sócio Rei, disseram que ainda estava sendo providenciada, enfim após várias interações com o pessoal do Santos e da administração do navio, perda de tempo e uma boa dose de transtorno, o benefício acabou sendo concedido.

Recentemente o Santos descontinuou a plataforma Multiplicação dos Peixes, utilizada pelos sócios principalmente para reserva de ingressos para os jogos do time e “migrou” para plataforma do Sócio Rei, que também passou a ser utilizada para este fim. No momento não é novidade para ninguém que isto transformou-se numa grande dor de cabeça, o site vem apresentando problemas, assim como vários sócios eu também tive enorme dificuldade em reservar meu ingresso para o recente jogo diante do Vélez, na ocasião o Santos divulgou nota desculpando-se e responsabilizando um hacker (sic) pela ocorrência, particularmente como profissional da área de Tecnologia da Informação creio que o problema seja a infraestrutura de TI “planejada” para atender os sócios do Santos, imagino que ela tenha sido muito mal dimensionada.

Em suma, há muitos problemas a serem resolvidos, como sócio desejo apenas ser tratado com respeito, nem preciso ser denominado como Socio Rei. Em 11/08/2006, tornei-me sócio sem esperar nada do clube, pois sabia que naquele momento ele pouco podia me oferecer em termos de benefícios. Fiquei sócio do clube para retribuir por tudo que ele já havia me proporcionado até então e para ratificar que estarei sempre com o Santos onde e como ele estiver até que a morte me separe (um dia eu morrerei, o Santos jamais!).

Creio que o primeiro passo para as coisas melhorarem foi dado, foi uma atitude muito louvável do Presidente Luis Alvaro receber e ouvir os sócios, os verdadeiros donos do clube, como ele mesmo costuma mencionar.

Da minha parte, tentarei evoluir no que diz respeito aos limites entre a emoção e a razão,  mas continuarei prestigiando e apoiando todas as iniciativas do clube, bem como espero que ele evolua positivamente na relação com seus associados.

Desejo que em breve tudo esteja funcionando plenamente, que neste caso, em específico,  o resultado dos esforços termine em pizza…

Calma, é isto mesmo que você leu, desejo que o programa Sócio Rei seja motivo de orgulho e de celebração, de preferência com pizza, tal como no vídeo abaixo:

E isso aí, o Santos pode mais, crescendo sem parar!

Por ora, é só! Até o próximo post!

Edmar Junior

Visite e CURTA a FAN PAGE do Blog DNA Santástico no Facebook!!!

Anúncios

FUTEBOL DE RUA

Através do grupo de literatura e memória do futebol do qual participo tomei conhecimento do maravilhoso conto “Futebol de Rua“, de Luís Fernando Veríssimo que trata das regras do futebol de rua:

FUTEBOL DE RUA
Luís Fernando Veríssimo

Pelada é o futebol de campinho, de terreno baldio. Mas existe um tipo de futebol
ainda mais rudimentar do que a pelada. É o futebol de rua. Perto do futebol de rua qualquer pelada é luxo e qualquer terreno baldio é o Maracanã em jogo noturno. Se você é homem, brasileiro e criado em cidade, sabe do que eu estou falando. Futebol de rua é tão humilde que chama pelada de senhora.

Não sei se alguém, algum dia, por farra ou nostalgia, botou num papel as regras
do futebol de rua. Elas seriam mais ou menos assim:

DA BOLA
– A bola pode ser qualquer coisa remotamente esférica. Até uma bola de futebol serve. No desespero, usa-se qualquer coisa que role, como uma pedra, uma lata vazia ou a merendeira do seu irmão menor, que sairá correndo para se queixar em casa. No caso de se usar uma pedra, lata ou outro objeto contundente, recomenda-se jogar de sapatos. De preferência os novos, do colégio. Quem jogar descalço deve cuidar para chutar sempre com aquela unha do dedão que estava precisando ser aparada mesmo. Também é permitido o uso de frutas ou legumes em vez da bola, recomendando-se nestes casos a laranja, a maça, o chuchu e a pêra. Desaconselha-se o uso de tomates, melancias e, claro, ovos. O abacaxi pode ser utilizado, mas aí ninguém quer ficar no golo.

DAS GOLEIRAS
As goleiras podem ser feitas com, literalmente, o que estiver à mão. Tijolos, paralelepípedos, camisas emboladas, os livros da escola, a merendeira do seu irmão menor, e até o seu irmão menor, apesar dos seus protestos. Quando o jogo é importante, recomenda-se o uso de latas de lixo. Cheias, para agüentarem o impacto. A distância regulamentar entre uma goleira e outra dependerá de discussão prévia entre os jogadores. Às vezes esta discussão demora tanto que quando a distância fica acertada está na hora de ir jantar. Lata de lixo virada é meio golo.

DO CAMPO
O campo pode ser só até o fio da calçada, calçada e rua, calçada, rua e a calçada do outro lado e – nos clássicos – o quarteirão inteiro. O mais comum é jogar-se só no meio da rua.

DA DURAÇÃO DO JOGO
Até a mãe chamar ou escurecer, o que vier primeiro. Nos jogos noturnos, até alguém da vizinhança ameaçar chamar a polícia.

DA FORMAÇÃO DOS TIMES
O número de jogadores em cada equipe varia, de um a 70 para cada lado. Algumas convenções devem ser respeitadas. Ruim vai para o golo. Perneta joga na ponta, a esquerda ou a direita dependendo da perna que faltar. De óculos é meia-armador, para evitar os choques. Gordo é beque.

DO JUIZ
Não tem juiz.

DAS INTERRUPÇÕES
No futebol de rua, a partida só pode ser paralisada numa destas eventualidades:
a) Se a bola for para baixo de um carro estacionado e ninguém conseguir tirá-la. Mande o seu irmão menor.

b) Se a bola entrar por uma janela. Neste caso os jogadores devem esperar não mais de 10 minutos pela devolução voluntária da bola. Se isto não ocorrer, os jogadores devem designar voluntários para bater na porta da casa ou apartamento e solicitar a devolução, primeiro com bons modos e depois com ameaças de depredação. Se o apartamento ou casa for de militar reformado com cachorro, deve-se providenciar outra bola. Se a janela atravessada pela bola estiver com o vidro fechado na ocasião, os dois times devem reunir-se rapidamente para deliberar o que fazer. A alguns quarteirões de distância.

c) Quando passarem pela calçada:
1) Pessoas idosas ou com defeitos físicos.
2) Senhoras grávidas ou com crianças de colo.
3) Aquele mulherão do 701 que nunca usa sutiã.

Se o jogo estiver empate em 20 a 20 e quase no fim, esta regra pode ser ignorada e se alguém estiver no caminho do time atacante, azar. Ninguém mandou invadir o campo.

d) Quando passarem veículos pesados pela rua. De ônibus para cima. Bicicletas
e Volkswagen, por exemplo, podem ser chutados junto com a bola e se entrar é golo.

DAS SUBSTITUIÇÕES
Só são permitidas substituições:
a) No caso de um jogador ser carregado para casa pela orelha para fazer a lição.
b) Em caso de atropelamento.

DO INTERVALO PARA DESCANSO
Você deve estar brincando.

DA TÁTICA
Joga-se o futebol de rua mais ou menos como o Futebol de Verdade (que é como, na rua, com reverência, chamam a pelada), mas com algumas importantes variações. O goleiro só é intocável dentro da sua casa, para onde fugiu gritando por socorro. É permitido entrar na área adversária tabelando com uma Kombi. Se a bola dobrar a esquina é córner.

DAS PENALIDADES
A única falta prevista nas regras do futebol de rua é atirar um adversário dentro do bueiro. É considerada atitude antiesportiva e punida com tiro indireto.

DA JUSTIÇA ESPORTIVA
Os casos de litígio serão resolvidos no tapa.

—–//—–

Ao ler o conto, em pensamento voltei ao passado, especialmente ao período da minha infância em que joguei muito futebol de rua. Lembrei da rua onde morava, dos amigos e dos inúmeros jogos que ali fizemos.

Naquela época eu só pensava em jogar bola, aliás eu meu amigo Zé Roberto, que atendia pelo apelido de Dadá, se nossos pais deixassem nós éramos capazes de ficar o dia inteiro jogando bola na rua, se tivesse outros amigos por perto formávamos times, mas se não houvesse, não tinha problema, jogávamos um contra o outro,  treinávamos cobrança de faltas ou penaltys, fazíamos competição de embaixadinha etc.

O mais bacana é que eu e o Dadá nutríamos o mesmo sonho, ambos torcedores do Santos Futebol Clubetínhamos o sonho de um dia vestir profissionalmente o manto sagrado do glorioso Alvinegro Praiano e conquistar muitos títulos.  O Dadá era baixinho, dono de uma habilidade incrível, um verdadeiro talento, jogava muita bola. Eu também tinha alguma habilidade e faro de gol.

Dadá e Edmar Junior, parceiros no futebol de rua e no sonho de vestir profissionalmente o manto sagrado do glorioso Santos Futebol Clube.

O tempo passou, eu e o Dadá crescemos, muita coisa aconteceu no que diz respeito ao nosso sonho que infelizmente não se tornou realidade, cada um seguiu seu caminho na vida, mudamos do nosso bairro e deixamos para trás aquela rua onde ao menos ali fomos felizes Meninos da Vila, construímos família e hoje temos raro contato.

—–//—–

O conto “Futebol de Rua”, de Luis Fernando Veríssimo, foi adaptado e transformou-se no curta ” A regra do jogo“, dirigido por Flavia Moraes.

Se você, assim como eu e o Dadá, também jogou futebol de rua, tenho certeza que além do conto “Futebol de Rua” vai gostar muito do curta “A Regra do Jogo”, vale muito a pena conferir:

 Ficha Técnica

Título original
A regra do jogo

Gênero
Documentário

Categoria
Curta

Ano de produção
2010

País
Brasil

Duração
10 min.

Produtora
Film Planet, Content

Sinopse
Uma adaptação do conto “Futebol de Rua”, de Luis Fernando Veríssimo, ” A Regra do jogo”, dirigido por Flavia Moraes, mostra a cara do Brasil com sua ginga e seu habito de transgredir recriando as regras.

Referência
A REGRA DO JOGO. Direção: Flávia Moraes. Brasil. Film Planet, Content, 2010. 35 mm.

—–//—–

Este post é uma homenagem a todos que jogam (cada vez mais raro) ou jogaram futebol de rua, aos amigos que jogaram comigo, em especial ao amigo Dadá, pela amizade vivenciada ao longo da nossa infância e pela alegria que tivemos de crescer brincando e compartilhando o mesmo sonho, não temos mais o contato de outrora, mas tenho certeza que este amigo especial, assim como eu, esta muito feliz, pois nos últimos anos temos assistido nosso glorioso Santos Futebol Clube conquistar títulos praticando o futebol arte através do talento de meninos como Diego, Robinho, Ganso e Neymar entre outros.

Espero que tenham gostado do post. Por ora, é só! Até mais!

Edmar Junior

Visite e CURTA a FAN PAGE do Blog DNA Santástico no Facebook!!!